Sobre Lino Raposo Moreira

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 
Pin It
Lino Raposo Moreira*
 
Li neste jornal, edição do dia 15 deste mês de janeiro notícia de reunião entre o Ministério Público do Maranhão e a Secretaria de Trânsito e Transporte de São Luís, em que o órgão municipal se comprometeu a acatar recomendação dos promotores, de disciplinar o trânsito na chamada Península da Ponta da Areia, por ocasião do cortejo da Banda Bandida, durante todos os domingos até o fim do período de Carnaval. O acesso à área seria controlado: somente aos moradores, de posse de comprovante de residência, e hóspedes de hotéis dali, se permitiria a circulação em veículos automotores, com a finalidade, evidente, de chegarem a suas residências. As pessoas poderiam se deslocar a pé sem sofrer tal restrição, a ser iniciada às 15 horas e finalizada às 21 horas. Não sei o motivo de o acordo não ter sido honrado. Houve recuo do Ministério Público? Ou a Secretaria deu para trás? O certo é que ficou o dito pelo não dito.
Trago o assunto à discussão por dois motivos. Primeiro, porque, como moradores do local, sofremos, eu e meus familiares bem como outras vítimas do prédio e de prédios vizinhos, as consequências da confusão criada nos últimos domingos naquele local desprovido de infraestrutura capaz de receber multidões de eventos públicos. Realizá-lo ali é como realizá-lo no Calhau, por exemplo, ou no Cohafuma, ou em quaisquer outros conjunto e área residenciais de São Luís. Qual a motivação de fazê-lo justamente lá?
O segundo motivo é mais importante porque tem relação direta com algo de grande importância na vida civilizada, mas na nossa sociedade não é levado a sério, sendo tratado, até, como atitude exótica: o cumprimento da lei. No tempo das cavernas, elas não existiam. Mandava o mais forte. Civilizar-se é estabelecer essas regras de convivência e obedecê-las. Confirma-se, pelo seu descumprimento, a correta avaliação do cronista deste jornal, Joaquim Itapary, de nesta cidade nada funcionar. Nisto está a raiz da existência de leis que pegam ou não, traço de nossa cultura tão criticado exatamente pelos que contribuem para torná-las inócuas.
Explico. Existe uma Lei do Silêncio, estadual. Ela não é cumprida, ou só o é em pouquíssimos momentos, entre o primeiro e o último minuto do evento. Na península, além do desfile de carros com potentes equipamentos de som a todo volume, existe um bar chamado Novo Trapiche, useiro e vezeiro em adicionar centenas de decibéis à balbúrdia sonora, nisso imitado pela Associação de Fiscais da Prefeitura, localizada bem perto. Independentemente, porém, do período carnavalesco, o Novo Trapiche perturba o sossego público frequentemente.
Vamos pensar agora nisto: quem irá recuperar as calçadas dos prédios e os canteiros centrais das vias públicas danificados pelo estacionamento dos automóveis sobre eles? Nada tenho contra bandas ou contra a Bandida. Aliás, tenho nela muitos amigos e até um irmão, João Carlos, um de seus pioneiros. Minha luta não é contra ninguém. É favor de princípios e da lei. Tanto não tenho nada contra elas que estou organizando uma, a Banda Peninsular. Ela será a melhor da cidade e percorrerá, sem pedido de licença a ninguém, as ruas onde os líderes da Bandida residem, parando na porta de cada um. E vou levar as torcidas do Flamengo e do Corinthians!
Passemos a questões referentes ao bom senso, tão em falta em ocasiões como esta. A península não está preparada para receber multidões, repito. Provam-no os milhares de homens e mulheres (acreditem) urinando em qualquer lugar. Reflitamos, também, sobre situações de emergência. Por exemplo, um morador de um prédio necessita ser transportado a um hospital. Sitiado como está, e havendo apenas duas vias de escoamento, o tempo desperdiçado no rompimento da barreira formada pela multidão pode ser a diferença entre sua vida e morte. No domingo passado, testemunhei a dificuldade de uma viatura passar pela multidão e sair da península. O veículo era do quartel do Grupamento Marítimo do Corpo de Bombeiros localizado a poucos metros do Novo Trapiche, no Forte de São Antônio, edificação de valor histórico. Temos a sensação de ser vítimas de sequestro e reféns em nossas próprias residências.
Por que não tomar como modelo o réveillon do Rio de Janeiro, como o Ministério Público propôs inicialmente? Lá, as ruas de Copacabana são interditadas sem se ouvirem reclamações.
Não faltarão tentativas de me classificar de adversário do Carnaval, reacionário, direitista e bobagens assim. É reflexo condicionado antigo que serve de biombo à indisposição ao debate e à disposição a fazer descer pela goela alheia pontos de vista esdrúxulos. Se apegar-se aos fatos e lutar pelo fiel cumprimento dos preceitos legais servir à tentativa de colar em mim todos esses rótulos, assim seja.
Meu pedido às autoridades tem se resumido ao cumprimento da lei, que, óbvio, deve ser obedecida por todos. É pedir demais? Se não for possível cumpri-la, melhor revogá-la, por inútil. Não queremos, nem poderíamos querer, o cerceamento do direito das pessoas de ir e vir. Contudo, não podemos concordar com a lesão a nosso próprio direito. Apelamos ao bom senso dos dirigentes da Bandida e pedimos que se imaginem em nosso lugar. Há dezenas de locais na cidade adequados ao cortejo. Por que fazê-lo onde ele não cabe e provoca tantos problemas?
Reconheço progressos no último domingo. As atividades terminaram mais cedo e a poluição sonora foi menor, graças, em grande parte, à pronta ação da delegada-geral de Polícia, dra. Cristina Meneses, com o suporte da Superintendência de Polícia da Capital e da Polícia Militar. Mesmo antes de receber qualquer apelo dos moradores, a delegada-geral já havia determinado a seu pessoal um combate firme a todos os excessos, em especial aos devidos à emissão de sons. Em outro trecho da Ponta Areia, o desrespeito à Lei do Silêncio já havia sido objeto antes de ação semelhante por equipes dela com pleno sucesso. Quando há determinação de fazer, há bons resultados. Temos certeza de que as coisas estarão melhores ainda neste fim de semana e assim permanecerão nos seguintes.
 
*Economista, membro da Academia Maranhense de Letras
Pin It

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar